domingo, 22 de outubro de 2017

HOMOSSEXUALISMO DIZ A BÍBLIA QUE É PECADO.


                                                                                                                                                                                                                               
PRATICAR, CONCORDAR OU APOIAR O HOMOSSEXUALISMO DIZ A BÍBLIA QUE É PECADO.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, anel e texto
"Por causa das coisas que essas pessoas fazem, Deus as entregou a paixões vergonhosas. Pois até as mulheres trocam as relações naturais pelas que são contra a natureza. E também os homens deixam as relações naturais com as mulheres e se queimam de paixão uns pelos outros. Homens têm relações vergonhosas uns com os outros e por isso recebem em si mesmos o castigo que merecem por causa dos seus erros. E, como não querem saber do verdadeiro conhecimento a respeito de Deus, ele entregou os seres humanos aos seus maus pensamentos, de modo que eles fazem o que não devem. Estão cheios de todo tipo de perversidade, maldade, ganância, vícios, ciúmes, crimes de morte, brigas, mentiras e malícia. Caluniam e falam mal uns dos outros. Têm ódio de Deus e são atrevidos, orgulhosos e vaidosos. Inventam maneiras de fazer o mal, desobedecem aos pais, são imorais, não cumprem a palavra, não têm amor por ninguém e não têm pena dos outros.
Levítico 18, 22-24 – Disse o Senhor: Não te deitarás com um homem como se faz com mulher; é coisa abominável. Não terás comércio carnal com nenhum animal, contaminando-te com ele. A mulher não se ponha diante de um animal para unir-se com ele: é uma perversão. Não vos contaminareis com nenhuma dessas coisas, porque com todas elas se contaminaram os povos que eu expulsarei de diante de nos.

Levítico 20, 13 – Se um homem usar com outro homem, como se fosse mulher, ambos cometeram uma torpeza abominável; serão punidos de morte e sua morte recairá sobre eles.

I Coríntios 6, 9-10 – Acaso não sabeis que os injustos não terão parte no reino de Deus? Não vos iludais: nem fornicadores, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem gananciosos, nem ébrios, nem maldizentes, nem rapaces terão parte no reino de Deus.

Viram só. Homossexualismo não é natural. Homem é homem, mulher é mulher e não existe meio termo, Deus fez assim e pronto.
Arrependão-te do mal, procure a Deus, ele pode te livrar de todos os problemas.

PENSE NISTOO texto citado está na Bíblia, (Romanos 1:26 a 31)

Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras e todo o que ama e pratica a mentira (Ap. 22,15). O que significa?

O que significa cães que está em Apocalipse 22,15.

Vejamos primeiramente que em Ap 21,8.27 e 22,15 aparece a lista de quem não poderá participar da Jerusalém Celeste ou do Novo Céu e da Nova Terra. São todos os que não se mantiveram fiéis a Deus. E que rejeitaram o Cordeiro de Deus e se deixaram seduzir pela Besta (o Império Romano) por falta de fé e de valor. O texto está se referindo a todos os incrédulos e idólatras que se deixaram dominar pelo Império Romano. Na bíblia a idolatria significa substituir Deus Libertador por algo ou quem não é Deus e se deixar escravizar por ele, tal como o dinheiro, o comércio, o prazer, o poder, etc. Veja a respeito o que está em Ef 5,5 e em Cl 3,5, que nos diz que a cobiça é idólatra ou seja leva a quem se deixa dominar por ela a ser um idólatra.

No Apocalipse, na Nova Jerusalém todos os fiéis e justos poderão ver a Deus, e quem durante a sua vida sempre negou a Deus, dele se afastou, não quis participar de uma vida com Deus e até o substituiu, pelas bestas, pela cobiça, pela mentira, pelo adultério, pelo assassinato, pela prostituição, enfim por toda a idolatria, este não poderá reconhecer verdadeiramente a Deus e assim estará impedido de entrar na Cidade Justa e Santa – a Jerusalém Celeste, que desce a terra. São esses que são considerados como cães, que estão fora da cidade santa.

É importante lembrar que o livro do Apocalipse foi escrito em época de perseguição às comunidades cristãs da Ásia Menor, e ele quer ser para essas comunidades um grande alento e ânimo para perseverarem na fé em Jesus Cristo, o Cordeiro Imolado, porque Jesus venceu a morte. E para todos nós hoje o texto é um grande alerta para que não deixemos de ser fiéis a Deus. Assim os textos precisam ser lidos. O testemunho de fé em Cristo, na época em que o texto foi escrito, poderia levar até ao martírio, a primeira morte, mas quem por ela passasse não sofreria a segunda morte, a morte eterna, porque já estão participando da Ressurreição de Cristo.

Que saibamos pedir sempre a Luz de Deus, para que nos deixemos iluminar por ela, e assim possamos lutar contra os impérios ou as bestas de hoje, e viver plenamente com Deus, no amor, na justiça, na paz e construindo um mundo mais fraterno e fiel a Deus.


Adriana Antonio idapitaçao....

HUMILHAR -ATÉ QUANDO VOCÊ VAI DEIXA O SENHOR DEUS LHE AJUDAR

ATÉ QUANDO VOCÊ VAI SE HUMILHAR
NESTE RELACIONAMENTO ?
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

Infelizmente os conceitos de família estão mudando. Muitos casamentos estão perdendo o valor devido a banalização dos relacionamentos. Em parte este novo conceito de família chegou a este ponto por culpa de muitas mulheres, principalmente as que exageram no que acreditam ser amor. As frases mais comuns são: Ele me bate, mas é só quando bebe...
Ele me humilha, mas trata bem meus filhos...
Ele é estúpido, mas não falta nada em casa...
Está me traindo, mas cumpre com suas obrigações no lar... Tantas e tantas baboseiras que nós escutamos no escritório pastoral que chega a dar medo. O bandido só é bandido pela impunidade que o faz repetir os mesmo erros, a criança só será mal educada pelo simples fato de nunca ser repreendida. O marido só será cafajeste, se a esposa, em nome de um amor doentio, abonar todas as suas atitudes. Diz um ditado.. "A necessidade é que faz o sapo pular"
Se a esposa não der ao marido um motivo para agir, por qual razão ele vai querer mudar ?
PENSE NISTO...

CICATRIZES SÃO ASSIM-Fazem Você lembrar que um dia doeu, mas passou

CICATRIZES SÃO ASSIM...

Há quem passa e deixa só cicatrizes. Há quem passa semeando flores. Há quem passa banhando-nos em lágrimas. Há quem passa disposto a secá-las. Há quem passa torcendo por nossa vitória. Há quem passa aplaudindo nossos fracassos. Há quem passa ajudando-nos a levantar. Há quem passa fazendo-nos cair. Há quem passa como sombra. Há quem passa como luz. Há quem passa como pedra no caminho. Há quem passa como pedra de construção. Cicatrizes são marcas que não doem, mas toda vez que se olham, fazem você lembrar que um dia doeu, mas passou.

Arte e texto: Pastor Melqui

VALE A PENA CURTIR, COMENTAR E COMPARTILHAR. SE FOI BÊNÇÃO PARA VOCÊ, CERTAMENTE SERÁ BÊNÇÃO PARA OUTRAS PESSOAS

REDE GLOBO- IDELOGIA DO INFERNO

IDEOLOGIA DE GÊNERO?

Não existe ideologia de Gênero. O que de fato existe é a ideologia criada no inferno e fomentado no coração de homens e mulheres covardes, que insistem em transformar a vida de crianças que não tem como se defender.
COVARDES, DEIXEM NOSSAS CRIANÇAS EM PAZ!
A imagem pode conter: texto

sábado, 21 de outubro de 2017

Lagrimas Nos Olhos - Cantora Adriana Antonio - COM LETRA (VideoLETRA® LM...



O choro pode durar uma noite!

Mas a alegria vem pela manhã!
Enxugue as lágrimas coloque um sorriso no rosto e vamos viver esse dia,porque hoje certamente Deus tem coisas maravilhosas para a tua vida!
Preparada?
Tem Bençãos de Deus chegando ai na sua casa!

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Conselho para casal em Crise-BLOG DESPERTAI





Toda família tem desacordos. O casal que nunca tem conflitos não existe. Infelizmente, conflitos podem levar a brigas sérias. Uma briga séria é aquela que desune esposo e esposa, mas nunca resolve a causa do problema. Como resultado, casais acumulam amargura, rixas, raiva descontrolada, ódio e, freqüentemente, divórcio.
Imagem relacionada
O que falta a muitos casais é habilidade para discutir os desacordos e resolvê-los. Na verdade, falta-lhes a capacidade para discutir problemas sérios, chegar a um plano para resolvê-los e, então, pôr em ação esse plano. Eu ressalto que esta é uma habilidade que muitas pessoas simplesmente nunca aprenderam, mas que pode ser aprendida.

O propósito deste estudo é aprender o que a Bíblia diz sobre como resolver conflito no casamento.

Estamos preocupados com conflitos em geral, mas especialmente com conflitos sérios, que destroem a relação entre esposo e esposa, e que podem levar ao divórcio.

Considere os passos seguintes, que podem ajudar casais a evitar ou a resolver tais problemas sérios.

1. Tenha fé

Muitos casais têm brigado e altercado tanto tempo que perderam a esperança de que as coisas jamais melhorem. Eles se resignam a continuar altercando e se odiando o resto de suas vidas, ou terminam o casamento pelo divórcio.

Os casais precisam crer que, pelo poder de Deus, eles PODEM resolver seus problemas de casamento se ambas as partes quiserem realmente trabalhar nisso.

Filipenses 4:13 — Tudo posso naquele que me fortalece. Se confiarmos em nós mesmos, podemos falhar. Mas precisamos acreditar que Jesus nos proverá a força de que precisamos para agradar a Deus.

Pensamento cuidadoso nos convencerá que conflito sério no casamento não é vontade de Deus para nós. Deus criou o casamento para o bem do homem e da mulher. Ele nunca pretendeu que o casamento fosse uma fonte de ódio e de amargos ressentimentos.

Ódio, altercações amargas e desunião em nossos lares significam que alguém está desobedecendo a Deus.

O problema começou porque alguém desobedeceu a Deus ou o problema original levou alguém a cometer outros atos pecaminosos. Em ambos os casos, problemas matrimoniais sérios quase sempre envolvem pecado.

Se é assim, então podemos superar os problemas pelos mesmos métodos que a Bíblia descreve para superar outros pecados! Reconhecer que o pecado é a raiz do problema dá esperança, porque o cristão sabe que Deus tem a solução para o pecado.

Contudo, o casamento envolve duas pessoas. O problema entre duas pessoas pode ser completamente removido somente se ambas as partes estiverem querendo trabalhar nele. Se somente uma das pessoas obedece a Deus, a outra pessoa pode manter o problema vivo.

Porém, se seu cônjuge não trabalhar para melhorar o casamento, isto não remove sua responsabilidade por fazer o que você puder.

Para agradar a Deus, você tem que seguir sua vontade, não importa o que seu cônjuge faça. Você tem que acreditar que você pode agradar a Deus, não importa como os outros ajam.

1 João 5:4 — Se somos nascidos de Deus, nós superamos o mundo por meio da fé. Isto inclui superar relações familiares inadequadas, mas temos que crer que isso pode ser feito pelo poder de Deus.


Se ambas as partes se incumbem de praticar o plano de Deus, qualquer casal pode eliminar o pecado de seu casamento. E não importa se seu cônjuge obedece a Deus ou não, você ainda pode agradar a Deus se você seguir os passos que já vamos descrever.

(1 Coríntios 10:13; 2 Coríntios 9:8; Josué 1:5-9; Efésios 3:20, 21).

2. Ore pela força que Deus dá

Filipenses 4:6-7 — Não fique ansioso, mas por oração e súplica leve seus pedidos a Deus. Os cristãos deverão fazer isto para todos os seus problemas, mas especialmente para seus problemas matrimoniais. Se tivermos fé adequada no poder de Deus, oremos diligentemente pelos nossos problemas matrimoniais.

1 João 5:14 — Confie em que, se pedirmos de acordo com sua vontade, ele nos ouvirá (Mateus 6:13; 1 Pedro 5:7).

Quando temos problemas matrimoniais, especialmente os que são sérios, precisamos crer que Deus corresponderá à oração. Se tanto esposo como esposa são cristãos fiéis, então eles deverão passar mais tempo juntos e individualmente, orando pela ajuda de Deus nos seus problemas.

Lembre-se, contudo, que Deus responde de acordo com sua vontade. Se o cônjuge não é cristão ou não é fiel, então Deus não o forçará a proceder corretamente. Ele pode, contudo, dar-lhe oportunidade de aprender sua vontade para sua vida.

Quando sua família enfrenta problemas sérios, quanto vocês oram a Deus juntos e confiam no seu poder para responder a seus pedidos?

3. Respeite a autoridade da Bíblia

Siga a Bíblia, em vez de sentimentos, sabedoria humana, etc.

Provérbios 3:5-6 — Confie no Senhor e deixe que ele guie seus passos. Não se apóie em seu próprio conhecimento humano. Muito freqüentemente, casais preocupados buscam fontes de orientação fora da Bíblia.

Algumas pessoas seguem psicólogos, conselheiros matrimoniais, etc. Outros são guiados pelos sentimentos. Pessoas se divorciam dizendo, "Não sinto mais nada por ela (ou ele)." Mas nenhuma quantidade de sentimentos pode mudar o que a palavra de Deus diz.

2 Timóteo 3:16-17 — As Escrituras provêm para todas as boas obras. Se resolver um conflito matrimonial é uma boa obra, então a Bíblia nos dirá como fazer isso. Outras pessoas podem ajudar, mas precisamos rejeitar quaisquer idéias que não concordem com a Bíblia.

A maioria de nós aceita este ponto de vista da autoridade no que diz respeito à salvação, adoração, organização da igreja, etc. Por que seria diferente a respeito de nossos lares?

(2 Pedro 1:3; Jeremias 10:23; Provérbios 14:12; etc.)

Estude o que a Bíblia diz sobre seu problema.

Salmo 1:2 — O homem justo se deleita com a lei de Deus e medita nela dia e noite. Se realmente acreditamos que a Bíblia tem as respostas, temos que estudar o que ela diz. Isto é o que faríamos sobre qualquer outro problema espiritual. Por que fazer de outro modo com respeito a problemas de família?

Atos 17:11 — Os crentes de Beréia aprenderam a verdade examinando as Escrituras dia e noite. Precisamos fazer o mesmo quanto a nossos problemas familiares.

Esteja disposto a obedecer a Bíblia.

Mateus 7:24-27 — O homem prudente não somente ouve o que a palavra de Deus diz, mas também faz. O tolo ouve, mas não obedece.

Se crermos que a palavra de Deus contém as respostas para nossos problemas conjugais, precisamos estar determinados a fazer o que ela diz, e não apenas a aprender o que ela diz.

4. Respeite o padrão da Bíblia como autoridade no lar

Efésios 5:22-24 — A esposa precisa submeter-se ao seu esposo, assim como ao Senhor.

1 Pedro 3:1 — Ela precisa obedecer ao seu esposo mesmo que ele não esteja servindo a Deus. Uma esposa pode pensar que ela pode desobedecer ao seu esposo se ele cometer pecado, mas Deus diz que ela ainda precisa obedecer. Ela pode desobedecer somente se seu esposo pedir que ela cometa pecado (Atos 5:29).

Veremos que o esposo também tem indicações dadas por Deus para seguir quando ele toma decisões. Freqüentemente o conflito começa ou continua sem solução porque o esposo desobedece aos ensinamentos da Bíblia sobre como tomar decisões ou porque a esposa desobedece aos ensinamentos da Bíblia sobre submissão.

Resolver conflitos requer que sejam tomadas decisões. Deus proveu um modo de tomar essas decisões. Esposos precisam de prudência para tomar decisões de acordo com as direções de Deus, e precisam de coragem para tomar até as decisões duras. Então precisam de força para ver que essas decisões sejam efetivadas. E as esposas precisam de força e de humildade para aceitar essas decisões.

(Tito 2:5; Colossenses 3:18; etc.)

5. Aja com amor

Os maridos deverão amar suas esposas como Cristo amou a igreja (Efésios 5:25,28,29). As esposas deverão amar seus maridos (Tito 2:4).

O amor é a preocupação com o bem estar de outros.

Efésios 5:25,28,29 — O amor de Jesus pela igreja ilustra o amor que os esposos deverão ter por suas esposas. Ele nos amou tanto que deu sua vida para que pudéssemos ser salvos. Assim o esposo deverá preocupar-se com o bem estar da esposa. Ele deverá alimentá-la e tratá-la com carinho. Ele não deverá usar sua autoridade só para agradar a si mesmo, mas para fazer o que é melhor para ela e a família.

1 Coríntios 13:5 — O amor não é egoísta.

Romanos 13:10 — O amor não obra nenhum dano para o seu próximo.

Enquanto um ou ambos os cônjuges insistirem egoistamente no seu próprio caminho, diferenças não serão resolvidas. Problemas sérios podem ser resolvidos somente quando queremos buscar o bem estar de outros, além do nosso próprio.

O amor é uma decisão da vontade.

Efésios 5:25,28 — O amor pode ser governado, porque é matéria de vontade. Podemos decidir amar ou não, assim como podemos decidir obedecer ou não a qualquer outro mandamento.

Alguns pensam que o amor apenas acontece, e não pode ser dominado: você "se apaixona" ou deixa de amar. Assim, se um casal "simplesmente não ama mais um ao outro," nada pode ser feito exceto obter um divórcio. Mas quando percebemos que podemos decidir amar, percebemos também que podemos pôr amor num casamento. E se fracassamos em pô-lo, pecamos.

Ainda mais, assim como Cristo iniciou o amor pela igreja quando éramos pecadores que não agiam amorosamente para com ele, assim é a responsabilidade primeira do esposo iniciar o amor. O mandamento é ressaltado para o homem. Ele tem que amar a esposa primeiro e pôr amor na relação, como Cristo primeiro amou a igreja.

Romanos 5:6-8 — Cristo amou-nos enquanto ainda éramos pecadores, não porque éramos tão amáveis que ele não pôde se conter. Ele decidiu fazer o que precisávamos que fosse feito.

Lucas 6:27-28 — Somos mandados amar nossos inimigos. Amar ao próprio inimigo é mais ou menos o que custaria pôr amor em alguns casamentos! Mas amamos inimigos, não porque incontrolavelmente "nos apaixonamos", mas porque decidimos fazer o que é melhor para eles.

A declaração "Eu simplesmente não o/a amo mais" é uma confissão de pecado! É preciso arrepender-se dela e corrigi-la como um ato da vontade!

Quando discordâncias sérias se acumulam no casamento e não são resolvidas, um ou ambos os cônjuges não está decidindo mostrar amor.

O amor precisa ser expressado em ação.

O amor deverá ser expressado pelo que dizemos.

Efésios 5:25 — Os esposos deverão amar como Cristo amou a igreja. Mas Cristo afirma seu amor pela igreja (Efésios 5:2; João 3:16). Assim, os esposos deverão expressar amor um pelo outro em palavras.

Isto não exige um "sentimento" avassaladoramente romântico, que jorra e não pode deixar de ser expressado. Estamos discutindo o amor por decisão da vontade.

Podemos e devemos afirmar, pela decisão da nossa vontade: "Quero que você saiba que ainda a amo, estou empenhado neste casamento e em seu bem-estar."

O amor deverá ser expressado pelo que fazemos.

1 João 5:2,3 — O amor a outros exige que amemos a Deus e guardemos seus mandamentos. Guardar os mandamentos de Deus é amar a Deus.

1 João 3:18 — Não devemos amar só por palavras, mas por atos e em verdade. Isto é um princípio vital em cada lar. Devemos dizer coisas amáveis, mas só isso não é o bastante. Temos que agir em amor.

(Lucas 10:25-37; 6:27, 28).

O amor exige dar e dedicação.

Dar a si mesmo é a essência do amor.

João 3:16 — Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito.

Efésios 5:25 — Jesus amou a igreja e deu-se por ela.

1 João 3:14-18 — Se vemos nosso irmão em necessidade e não lhe damos o que é necessário, não temos amor.

Romanos 12:20 — Amar o inimigo exige dar de comer e de beber quando necessário.

Uma exigência básica para resolver desacordos familiares é vontade de darmos a nós mesmos pelo bem de outros.

É típico. O cônjuge se recusa a mudar porque está contrariado por alguma coisa que o outro fez. Se fôssemos ver a situação honesta e objetivamente (como se fosse problema de outra pessoa), admitiríamos que faríamos de modo diferente. Mas recusamo-nos a mudar por causa de algum hábito ou característica que não gostamos em nosso cônjuge.

A lição fundamental do amor de Cristo é que devemos desistir de nossos próprios desejos pelo bem de outros, mesmo quando eles não estão agindo da maneira que pensamos que eles deveriam. Não diga, "Eu mudarei se ele ou ela também mudar." Se uma ação é boa para outros, faça-a, não importa o que eles estão fazendo. Se temos estado errados, admitamo-lo, não importa se eles admitiram seus erros.

Mesmo se estivermos convencidos de que não somos a raiz de um problema, devemos perguntar-nos honestamente o que podemos fazer para melhorá-lo. Isto não significa ignorar o pecado. Jesus não causou nosso problema de pecado e não transigiu com o pecado, mas ele sacrificou-se para prover uma solução para o problema do pecado. Ele não foi enviado apenas para criticar-nos pelo nosso pecado, mas tornou-se envolvido para prover uma solução. Ele não fez tudo por nós, mas certificou-se de que tínhamos um modo pelo qual podemos superar nosso problema.

Um cônjuge freqüentemente criticará: "É culpa dele (ou dela), então que ele (ou ela) resolva". Mesmo se isso for verdade, ajuda? Em vez disso, pense, "O que posso oferecer para fazer — como posso envolver-me — para ajudar a resolver este problema?" Em vez de dizer, "Por que você não faz isto?" diga "Por que nós não trabalhamos juntos nisto?"

Enquanto nenhum esposo der o primeiro passo para desistir do que quer, a desavença continuará. Quando alguém quer consentir pelo bem do grupo, uma partida foi dada para a resolução do problema. Quando ambos querem consentir pelo bem do grupo, uma solução será definitivamente encontrada.

O esposo tem a palavra final, mas não poderá fazer só o que ele quer. Ele tem que pôr de lado seus próprios desejos e fazer o que é melhor para o grupo. A esposa não poderá insistir no que ela quer, mas tem que consentir e submeter-se às decisões do esposo.

(1 João 4:9, 19; Atos 20:35; Lucas 10:25-37)



David Pratte

sábado, 7 de outubro de 2017

Pastor Gilmar Santos



O mininstério do Pastor Gilmar Santos tem a aprovação de Deus durante três décadas e está composto por diferentes pastas.
A primeira delas é o trabalho que o Pastor Gilmar Santos vem fazendo como conferencista internacional. Ministrando em Congressos, Simpósios, Cruzadas, Convenções entre outros. Exercendo este ministério o Pastor Gilmar Santos já ministrou nos 26 estados da federação e no Distrito Federal, e há muitos anos a sua agenda é feita com mais de um ano de antecedência. Hoje ele tem o conhecimento de todos os sistemas de trabalhos, convenções, liturgia de culto, porque este Homem de Deus, não limitou-se atender apenas as Assembléias de Deus - A visão do Pastor Gilmar Santos é a com a Igreja Evangélica Brasileira, e esta tem o seu amor.

Em todos esse anos temos visto centenas e hoje são incontáveis o número de conversões, já houve noites como em São Luis do Maranhão quando se conferiu mais de 800 conversões em uma só noite de cruzada, onde havia um ajuntamento em um só local de 80.000 pessoas por noite, e nesta noite onde muitos outros pastores ajudaram a contar, se conferiu quase 1000 almas.

O ministério do Pastor Gilmar Santos pela soberana vontade de Deus tem sido marcado, caracterizado, por curas e milagres. Todos os que acompanham o seu ministério, sabem que por onde ele passa além de ministrar uma mensagem bíblica e cristocêntrica, sempre conclui as suas mensagens ministrando a cura divina - Quando não o faz logo no decorrer da mensagem segundo uma direção de Deus. Nestas ministrações já são centenas de paralíticos que tem deixado cadeiras de rodas, muletas; cegos, mudos, surdos, todos curados e sendo ainda testados diante de todo o povo, testificando a cura divina; pessoas curadas de câncer, vomitando tumores e obras de feitiçaria. Tudo isto está documentado em fotos, vídeos, dvd´s, artigos em jornais evangélicos e não evangélicos, como é o caso do Mensageiro da Paz, órgão oficial das Assembléias de Deus do Brasil, e do jornal secular Diário de Pernambuco, onde na ocasião o Pastor Gilmar Santos ministrava na cidade de Jaboatão dos Prazeres, e um senhor que foi levado em cima de uma carroça porque não andava, e o Homem de Deus começou a ministrar dizendo que estava em jejum até aquele momento e que o Senhor havia lhe dito que naquela tarde iria operar milagres, quando ele terminou de fazer a leitura da palavra o paralítico saltou e andou no meio do povo, neste dia estavam presente o presbítero e deputado Salatiel, propietário da Rádio Maranata, o cantor Junior de Curitiba; estes e muitos outros nunca mais esqueceram destas coisas.

Aconteceu também na América do Nortel, onde o Pastor Gilmar Santos ministra desde 1989, viajando para lá mais de 10 vezes por anos, ultimamente por causa da sua agenda muito concorrida, ele sai as vezes na quinta-feira, chegando lá na sexta-feira, prega no sábado e retorna no domingo chegando de volta ao Brasil na segunda-feira. Há momentos gloriosos de curas de cegos, de pessaso atrofiadas, muitas libertações quando espíritos imundos são expelidos.

Na Europa quantos milagres por ocasião de cruzadas em portugal, que durante 30 dias o Pastor Gilmar Santos acompanhado da esposa e os filhos atendeu uma agenda de Norte a Sul acompanhado de seu amigo o Pastor Luis Reis, Presidente da Convenção das Assembléias de Deus em Portugal, após estes 30 dias realizou uma cruzada no auditório do Sindicato dos Pescadores na grande Lisboa, onde muitas pessoas foram também curadas.

Aconteceu também na África, onde a multidão era incontável, uma das noites memoráveis do ministério deste grande Homem de Deus, deste porfeta que Deus levantou, este arauto das últimas horas, que também já foi citado como "A Trombeta de Deus". Foi uma noite quando o Pastor Gilmar Santos pregou uma mensagem de desafio "Hoje deveis escolher a quem sirvais a Deus ou ao Diabo" , isto porque ele sabia que crentes com dois anos de conversão quando não encontrava soluções para os problemas na igreja ainda procurava o curandeiro, que é o feiticeiro. Naquela noite durante a ministração as pessoas caíam em centenas vomitando enfermidades, sendo curadas, naquela ocasião em Maputo - Moçambique, um homem completamente paralítico, atrofiado, saltou no meio do povo, e aquelas pessoas iam sendo libertas, isto está comprovado em fotos, onde pessoas estão vomitando até na roupa do Pastor Gilmar Santos, Foram só nesta noite 516 conversões.

Há ainda exemplo do que Deus tem feito na Ásia, nas grandes cruzadas no Japão, onde hoje a Assembléia de Deus de Goiânia, Ministério Cristo Para todos tem congregação, pois desde 1995 o Pastor Gilmar Santos evangeliza o Japão, quando chegou ali nos primeiros anos haviam pouquíssimas igrejas. Foi este Homem de Deus que ajudou o Pastor Claudir Machado a organizar estatutariamente e até em outros aspectos, as primeiras igrejas no Japão, através da Missão Apoio, na época presidida pelo Pastor Claudir. É inesquecível e nos registros da eternidade está aquele dia em Hamamatsu quando o Homem de Deus estava pregando e um jovem completamente surdo e mudo foi revelado pelo Espírito ao Pastor Gilmar Santos, e ele orou e aquele homem começou a ouvir e a falar, uma glória imensurável tomou conta de todos, esta noite só pode ser concluída as 05:00hs da manhã, quando todos estavam arrebatados, estava lhe acompanhando nesta viagem o Pastor Dejair Batista Silvério, presidente da Obra Avivamento da Fé, com sede em Osasco - SP.

Estas linhas tornam-se poucas para relatar o que Deus tem feito no Ministério Cristo Para Todos, que é o ministério do Pastor Gilmar Santos, que confronta com uma mensagem bíblica, cristocêntrica, com o poder da oração e das constantes vigílias feitas pelo Pastor Gilmar Santos com seus companheiros mais íntimos.

Estes são alguns passos do Ministério Cristo Para Todos, Conferências, Cruzadas esmeradamente planejadas. Há uma ocasião inesquecível que o povo mineiro jamais esquecerá, quando em Uberlândia no Estádio Parque do Sabiá o pastor Gilmar Santos pregava e cerca de 500 irmãos foram batizados com o Espírito Santo. Antes disto, na igreja, na época do Pastor José Braga, o Pastor Gilmar ministrava e uma senhora soltou as muletas correndo naquele templo, e até onde foi conferido, quase 2000 pessoas foram batizadas com o Espírito Santo.

O ministério do Pastor Gilmar Santos tem sido marcado por essas evidências, o que nós resolvemos abrir as cortinas para lhe mostrar que o evangelho não perdeu a sua eficácia. É tudo uma questão de obediência e de conhecer e absorver o projeto de Deus para cada vida e para cada ministro seu. Todos acompanham e sabem do coleguismo e da comunhão do Pastor Gilmar Santos com o Pastor Cezino Bernadino - Presidente do Gideôes Missionários da Última Hora - GMUH; há quem diga que Camboriú tem as expressões, as características das ministrações do Pastor Gilmar Santos. O que ele diz é: "Acredito na obra que o Pastor Cezino faz, o tenho como um Homem de Deus, Autêntico, e como maior exemplo parâmetro e inspiração de missões, não só para o Brasil mas para o mundo" . Desde 1989 que o Pastor Gilmar Santos na sua linguagem coopera com o Gideões Missionários da Última Hora, grandes milagres do seu ministério já foram vistos ali a olho nú e através de canais de televisão, assistido por milhares ao redor do mundo, e através das ondas sonoras da Rádio Marumbi, milhares no Brasil recebendo curas tão autênticas como os que estão presentes.

Fica aqui dito que não somente a sua agenda, mas o seu coração não obstante já irem, já estar se avizinhando 3 décadas, ele se sente espiritualmente, fisicamente, renovado, reciclado, reabastecido por Deus e não duvida e não exita em dizer que está nos seus melhores dias, na sua mais fervorosa convicção. Ama o Brasil e respeita todas as lideranças e quer somar com todos.

Fonte: http://pastorhafner.blogspot.com.br/2011/11/biografias-parte-3.html



terça-feira, 3 de outubro de 2017

BLOG DESPERTAI-Tiroteio em Festival de Música de Las Vegas é o Mais Mortal na História Moderna dos EUA






Mais de 50 pessoas foram mortas

LAS VEGAS, Nevada (KTRK) - A polícia diz que mais de 50 pessoas foram mortas quando um homem atirador disparou contra um festival de música lotado na de Las Vegas Strip, tornando-se o tiroteio em massa mais mortal na história moderna dos EUA.

A polícia do metrô de Las Vegas identificou Stephen Paddock, de 64 anos, como o homem armado no tiroteio em massa. A polícia enfrentou Paddock no 32º andar do hotel-casino da Mandalay Bay depois que a chuva de tiros foi disparada na noite de domingo. Ele foi morto pela polícia.

O xerife Joe Lombardo disse que Paddock seja o atirador solitário. A polícia disse que ele morava em Mesquite, Nevada, que está localizada fora de Las Vegas.

A polícia também disse que localizaram uma suspeita, Marilou Danley, que foi identificada como colega de quarto de Paddock.

Leia mais:





casamento infantil islamico-BLOG DESPERTAI

O Parlamento de Bangladesh legalizou o casamento de adultos com crianças. Na verdade, de homens com meninas, porque mulheres adultas não se casam com meninos. 

Resultado de imagem para casamento infantil islamicoA nova lei só vale para “circunstâncias especiais”. Não há explicação sobre que “circunstâncias” são essas. E do ponto de vista do interessado, tudo é "especial".

O que parece certo é que os pais têm de estar de acordo com o casamento e que terá de haver aprovação de um tribunal. Ou seja, nada que um punhado de moedas entregue nas mãos certas não resolva.

A vontade da menina não conta, claro.

Os muçulmanos ficaram felizes com a nova lei porque, seguindo a tradição instituída por Maomé, eles adoram ter relações sexuais com meninas.

A nova lei institucionalizou o que já existe em larga escala em Bangladesh.

Nesse país cujos islâmicos representam cerca de 90% da população é comum homens se casarem com crianças e adolescentes, embora até agora fosse ilegal.

O que ocorre, na prática, é a venda de meninas pelos seus pais a homens de todas as idades, incluindo os idosos.

No ranking da ONU de países onde mais há casamentos de crianças, Bangladesh está em quarto lugar, atrás somente do Níger, República Centro-Africana e Chade.

A taxa de casamentos infantis em Bangladesch vinha caindo por causa da atuação de entidades internacionais de direitos humanos.

Mas agora, com a nova lei, a taxa voltará a crescer.

É o que se pode concluir de afirmações de líderes islâmicos em Bangladesch, como Mahfuzul Haque, chefe de uma poderosa organização islâmica.

Sobre a nova lei, ele disse: "Para os olhos do Islã, a decisão é correta”.

Trata-se de uma “decisão correta” não só para os olhos do Islã, mas também e sobretudo para sua genitália pervertida.

Casamento informal com meninas já comum no país

Com informação de sites internacionais, como o do NYT, e foto do Facebook.

O que a Bíblia diz sobre Pedofilia?

Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus.” I Coríntios 6:9-10

Vivemos em uma época onde os números de tragédias crescem cada vez mais, e um dos grandes fatos que tem deixado a sociedade em alerta é a violência sexual infantil, conhecida também como pedofilia. É alarmante como o índice dessa prática tem aumentado de forma tão exorbitante.

Uma das grandes ferramentas que os agressores sexuais mais utilizam nos dias atuais é a internet, uma arma poderosa para cometer esses crimes. É preciso que os pais analisem melhor o comportamento de seus filhos e observem quais endereços eletrônicos eles têm acessado, para que não passem por nenhuma circunstância dolorosa.

No livro de Tiago, capítulo 1 e nos versículos do 14 ao 15 afirma: “Cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.” Esse texto nos esclarece que o homem é tentado pela sua própria cobiça, ou seja, é impulsionado a cometer seus próprios desejos, desejos esses que são frutos de maus pensamentos.

A pedofilia além de ser um ato de cunho criminoso, existe um lado que é muito pior, é o estado psicológico da vítima, gerará consequências trágicas na vida desse indivíduo, pois poderá criar bloqueios, frustrações, traumas, medo, insegurança, depressão, e muitas outras implicações que irá defasar tanto o lado emocional quanto o social.

Deus é o único que pode libertar a opressão de quem já passou por esse drama, Ele também pode perdoar aquele que genuinamente se arrepende por ter praticado tal insanidade, porém se não houver arrependimento, este não herdará o reino de Deus, mas sim terá o castigo eterno.

10 Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande cidade de Babilônia, aquela forte cidade! pois em uma hora veio o seu juízo.

Apocalipse 18:10

  





segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Estudos Bíblicos -Jesus abre o coração do seu discurso sobre a verdadeira justiça


11. A Verdadeira Justiça
Ouvistes . . . eu, porém, vos digo" (Mateus 5:21-22). Com este tão repetido contraste batendo uma forte cadência, Jesus abre o coração do seu discurso sobre a verdadeira justiça. Mas não foi um sermão pregado no vazio. O problema da justiça farisaica tinha sido levantado abertamente e agora este pernicioso sistema será destruído metodicamente pelas penetrantes e autoritárias observações do Senhor. Não foi demasiada devoção à lei que provocou o devastador ataque de Jesus aos fariseus, mas pouca devoção. Com hipocrisia arrogante eles haviam produzido uma paródia vazia da lei de Deus. Jesus rejeita essa ilusão e a expõe tal como é, à luz da verdadeira e imutável justiça de Deus.
Imagem relacionada
Se, como alguns supõem, Jesus estava, aqui, citando as Escrituras do Velho Testamento, ele fez uma abordagem diferente da que usou nas outras vezes. Em nenhuma outra ocasião ele apresenta as Escrituras com "Ouvistes o que foi dito aos antigos". Antes, quando foi tentado por Satanás no deserto, Jesus apresentou três passagens do Deuteronômio, com as palavras "está escrito" (Mateus 4:5,7,10). Ele usou a mesma forma em Mateus 11:10 e 21:13. Em outras instâncias o Senhor indicou o escritor que ele estava citando (Mateus 12:17; 13:14,35; 15:7; 21:4; 22:43) ou simplesmente citou "as escrituras" (21:42). O tratamento diferente em Mateus 5:21-48 é muito marcante para ser ignorado. Aqui Jesus está citando, não as Escrituras, mas "a tradição dos antigos" (Marcos 7:5).

O contexto desta parte do sermão do Senhor aponta na mesma direção. Jesus insistiu em expressar sua reverência pela lei e os profetas (5:17-19). É razoável pensar que ele se voltaria para desfechar um ataque fulminante contra aquela lei? A preocupação imediata do pregador, quando ele começa esta parte do seu discurso, é a falsa justiça dos fariseus (verso 20) e este é o problema com o qual ele lida nos versículos subseqüentes (21-48).

O contraste sendo traçado nesses versículos não é entre a lei de Moisés e a lei de Cristo. É, antes, um contraste entre a corrupção farisaica do Velho Testamento e a verdadeira justiça que foi antecipada na lei e levada à sua plenitude em Cristo. Como observamos antes, os ensinamentos éticos de Jesus não representam um afastamento radical da ética do Velho Testamento. Os mandamentos funda-mentais da lei, amar a Deus supremamente e o próximo como a si mesmo (Deuteronômio 6:5; Levítico 19:18), são tomados pelo Senhor como o baluarte de seus próprios ensinamentos (Mateus 7:12; 22:34-40). Os princípios éticos do Velho Testamento não eram ordenações superficiais que governaram o músculo mas não a mente. O décimo mandamento do Decálogo apresenta-se diretamente à mente e ao coração (Êxodo 20:17). E quem poderia ler esta velha aliança judaica e imaginar que o Deus que falou no monte Sinai haveria de permitir a seu povo odiar, desde que não matasse, ou a concupiscência, desde que não consumada? Se foi ele que disse "Não aborrecerás teu irmão no seu íntimo" (Levítico 19:17) e "Não cobiçarás a mulher do teu próximo (Deuteronômio 5:21).


Estudos Bíblicos - PARTE 02 Jesus abre o coração do seu discurso sobre a verdadeira justiça
A lei de Moisés, em sua essência, refletia as verdadeiras exigências éticas de Deus. Enquanto é verdade que a lei fez concessões à "dureza de coração" de Israel (Mateus 19:8; Marcos 10:5) e conteve muitas "ordenanças da carne" (Hebreus 9:10), mesmo assim, em seu coração, como Paulo afirmou, "a lei é espiritual" (Romanos 7:14) "e o mandamento, santo e justo e bom" (Romanos 7:12).

As exigências éticas do Sermão da Montanha são, simplesmente, a flor que desabrochou do botão do Velho Testamento. Enquanto é verdade que a graça e a plenitude da verdade vieram por meio de Jesus Cristo (João 1:17), é também certo que havia verdade ética e espiritual na lei e uma clara antecipação da graça por vir (Gálatas 3:8).

Então, se é acurado dizer que Jesus está expondo as perversões farisaicas da lei, não é acurado dizer que Jesus não faz mais do que dar uma correta exposição da ética do Velho Testamento. Jesus ancora, nitidamente, seu ensinamento ético na ética da lei, mas não se detém aí. Ele prossegue, para expandi-la na lei do reino do céu.

O alvo do reino é a justiça de Deus (Mateus 5:48; 6:33). Com o propósito de conduzir seus ouvintes a um entendimento desta ordem moral e espiritual das coisas, Jesus começa com os mais óbvios imperativos morais do que significa amar aos outros (5:21-48). Há um plano ascendente nestes versículos. O Senhor começa numa nota negativa: com a proibição que mais se recomenda aos homens, mesmo nas mais baixas condições: "Não matarás." Quando o capítulo termina, ele alçou à mais positiva e desafiadora exigência do amor, não o amor como os homens o conhecem, mas o amor como Deus, em sua santa perfeição, o demonstra.

Estes versículos não são confortáveis de ler e são, freqüentemente, desafiantes ao entendimento, mas o estudante tem sempre que ter em mente que, abaixo de todas essas instruções, está o segundo dos grandes mandamentos, "Amarás o teu próximo como a ti mesmo." Em termos tanto prático como objetivo estamos agora para ser confrontados com o que significa ser um cidadão do reino do céu.


12. "Todo Aquele que se Irar Contra seu Irmão . . ."

Esta parte do sermão (Mateus 5:21-48) começa com uma consideração de como o cidadão do reino tem que lidar com sua própria inclinação para o mal e, então, fecha (versículos 38-48) com um estudo de como ele tem que enfrentar o mal dos outros.

Há, nestas passagens, a descrição de um tipo radical de amor. Se ela nos surpreende, a nós que estamos deste lado da cruz, que tranco ela deve ter dado naqueles que a ouviram pela primeira vez antes dos impensáveis eventos do Calvário! Ainda que só antecipado no proeminente discurso de Jesus, parece evidente que o radical amor de Deus pelos homens, em Cristo, haveria de ser o fundamento indispensável para uma tão santa e desinteressada devoção pelos outros. Como a mulher cuja pródiga expressão de amor chocou o anfitrião fariseu do Senhor (Lucas 7:36-50), amamos muito porque fomos muito perdoados. O amor radical de Deus por nós libera dentro de nós uma capacidade radical de boa vontade para com os outros. E a natureza desse amor, como o de nosso Senhor, deve ser sacrifical (Mateus 16:24-25). Como Jesus se esgotou por nós, assim temos que esgotar-nos por outros (Filipenses 2:1-8).

Mas por que todos estes pormenores? Por que não emitir a simples instrução para amar o próximo como a si mesmo, e pronto? Porque todos somos demais carecidos de entendimento de nossos próprios maiores interesses e, conseqüentemente, os dos outros. Um bêbedo, praticando o "amor ao próximo", poderia dar ao seu companheiro beberrão mais trago de uísque. Thomas Harris levanta este problema, muito diferentemente, em seu livro Eu Estou Ótimo, Você Está Ótimo: "A Regra de Ouro não é um guia adequado, não porque o ideal seja errado, mas porque muitas pessoas não têm dados suficientes sobre o que eles querem para si, ou porque o querem." Os dados faltantes são providos pelos ensinamentos de Cristo e seus apóstolos. Suas instruções preenchem os detalhes práticos do que significa amar a Deus e trabalhar pelo real e melhor interesse das outras pessoas. Estas informações não provêm de nossos desorientados desejos e julgamentos, como Harris e os adherentes da filosofia da "ética da situação" sugerem, mas da divina sabedoria de Deus. Não pode ser de outro modo. De nosso bem restrito ponto de vista humano, é nitidamente impossível conhecer todas as implicações de nosso comportamento, ainda mesmo quando bem intencionado. Deus informa e guia nosso amor com sua instrução moral. Como João observa: "Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e praticamos os seus mandamentos" (1 João 5:2).

Os fariseus estavam sempre inclinados a abaixar o nível moral e espiritual da lei e a aumentar a exigência cerimonial. Jesus começa este trecho com perfeito exemplo da tendência farisaica a reduzir a lei. "Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento" (5:21). A perturbadora coisa a respeito destas citações é que, às vezes, parecem exatas citações da lei. "Não matarás" sai diretamente de Êxodo 20:13 e Deuteronômio 5:17. O "julgamento", da segunda citação, se refere ao conselho local ou tribunal e, ainda que a citação não seja uma citação exata da lei, ela reflete acuradamente as palavras de Números 35:30-31. E contudo, nas mãos dos fariseus, estas palavras não eram a lei, mas idéias tiradas da lei e pervertidas. A preocupação dos pelegos da instituição era que ninguém poderia cometer um ato que derrubasse uma penalidade civil. Os únicos crimes que perturbavam a consciência deles eram aqueles que podiam ser tratados por tribunais humanos. Eles estavam profundamente perturbados pelo homicídio, mas ódio e malícia não lhes causavam nenhuma consternação séria. Abusivas como fossem suas maneiras para com os outros, desde que não houvesse culpa por sangue, eles se sentiam justos perante a lei.

A resposta de Jesus (5:22) se acomoda com a fixação deles nas penalidades civis. A verdade é, ele diz, que o homem que abriga ira contra seu irmão está em perigo do tribunal local. João, mais tarde, refletiu este conceito em sua memorável afirmação: "Todo aquele que odeia a seu irmão é assassino" (1 João 3:15).

Tendo abordado o problema do coração, Jesus estende sua aplicação à língua. Não somente os amargos sentimentos põem a pessoa em perigo, mas assim também o faz o abuso desdenhoso que eles estão dispostos a promover. Quantos corações têm sido brutalizados por palavras que cortam como floretes! Às vezes, o assassinato seria mais humano do que essas atrocidades verbais! Atacamos as pessoas com o máximo desdém e as deixamos, como pretendíamos, prostradas. Para isto, o Senhor advertiu, ficaremos "sujeito a julgamento do tribunal" (uma provável referência ao Sinédrio) ou, mais corretamente, "ao inferno de fogo." É evidente que o uso que o Senhor faz aqui de "julgamento" e "conselho" é uma acomodação. As cortes civis não podem tratar de pensamentos perversos, mas o tribunal a que Jesus se refere pode lançar o infrator no inferno (Mateus 10:28).

Nossa reação juvenil a este ensinamento nos dispôs a chamarmos um homem de qualquer coisa exceto sensato, e a evitar chamá-lo de "tolo", a todo custo. Os fariseus haveriam de apreciar muito esta interpretação!
O problema do assassinato tem que ser atacado na fonte. Tanto o coração, como a língua, bem como a mão, tem que ser lavados da brutalidade do ódio. A lei ensinou isto (Levítico 19:17), mas os fariseus, na sua ânsia de obter justiça barata, conseguiram negligenciar. O Senhor não pretende que esqueçamos.



13. "Vai Primeiro Reconciliar-te com teu Irmão"

"Vai primeiro reconciliar-te com teu irmão" (Mateus 5:24). Jesus começou este trecho de seu sermão com uma série de advertências sobre o julgamento severo destinado a cair sobre aqueles que permitem que sua ira se manifeste em odienta ofensa verbal de outros, e continua seu tema delineando o único modo de fuga para tais transgressores da lei do amor ao semelhante (5:23-26).

O que Jesus requer de nós, quando pecamos deste modo, é o que a maioria dos homens parece temer mais intensamente; ele exige que enfrentemos e corrijamos o problema com nossa vítima. O contexto indica que o irmão que "tem alguma coisa contra ti" não é só alguém que está descontente, mas alguém a quem na verdade causamos dano. Neste caso, o adorador é culpado, não somente mal-entendido. Outros versículos confirmam este significado (Marcos 11:25). O que faz a oferta precisa arrepender-se e procurar o perdão de seu irmão prejudicado. A prontidão com que a parte culpada deve agir, interrompendo o sacrifício bem no meio, reflete a urgência da situação e dá ênfase a como o mau trato dos outros nega a adoração a Deus. As Escrituras estão cheias deste princípio (Salmo 66:18; Tiago 3:9-10; 1 João 4:20-21). A ofensa a outros serve para fechar a porta do céu contra nós.

Enquanto o secularista pendeu para tratar a adoração com certa medida de desprezo, enquanto ele dá ênfase à justa conduta para com os outros, muitos religionistas tentaram, historicamente, usar a adoração como uma cobertura para o fracasso moral. Este foi um jeito especial dos fariseus que procuravam expiar por zelosa cerimônia sua ofensa aos homens (Mateus 23:23-24). Mas os fariseus não deram origem a esta vista esguelhada das coisas. Muitos séculos antes, Amós tinha advertido os presunçosos cidadãos de Samaria que Deus tinha se fartado da sua pretenciosa adoração. O que o Senhor queria, disse o profeta fazendeiro, era o juízo e a justiça (5:21-24). Jeremias, cem anos mais tarde, tinha ecoado o mesmo tema em Jerusalém (7:21-23). Jesus experimentou ensinar aos fariseus a lição dos profetas. Ele os remeteu mais de uma vez às palavras de Oséias: "Misericórdia quero, e não holocaustos" (Mateus 9:13; 12:7). O Senhor teve pouco sucesso em seu empenho, mas sempre foram poucos, como o escriba que observou que amar a Deus com todo o coração e o próximo como a si mesmo excedia "todos os holocaustos e sacrifícios" (Marcos 12:32-33). Jesus disse que ele não estava longe do reino.

Então, qual é a lição aqui? Quando pecamos contra outro, a necessidade não é de mais comparecimento às assembleias de adoração ou maior liberalidade nas coletas dominicais ou evangelismo pessoal mais animado, ainda que estas coisas podem, em geral, ser tratadas mais seriamente por todos nós. A necessidade urgente da hora é de arrependimento e reconciliação com nosso irmão ou irmã ofendido. (Esposos e esposas, especialmente, necessitam de ouvir isto. Lembrem-se de que esposos e esposas e filhos também são "próximos"). Davi abordou este assunto no caso de seu próprio doloroso fracasso moral, com Bate-Seba e Urias: "Pois não te comprazes em sacrifícios, do contrário eu tos daria; e não te agradas de holocaustos. Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito não o desprezarás, ó Deus" (Salmo 51:16-17). Não tente oferecer a Deus adoração quando o arrependimento é exigido.

Precisamos aprender a abordar nosso pecado e aqueles contra quem pecamos com retidão. "Fui injusto com você; por favor, perdoe-me" são as palavras que não se têm tornado mais fáceis de dizer com o passar dos anos, mas são aquelas que pessoas com nossos imperfeitos antecedentes têm que aprender a dizer com o coração. De outra maneira, não há esperança. Os relacionamentos humanos serão despedaçados e nossa ligação com Deus será, simplesmente, terminada.

É impossível estimar bem quantos dos discípulos do Senhor, hoje em dia, estão se destruindo porque lhes falta ou a humildade ou a coragem para se arrependerem dos pecados contra os outros e procurar seu perdão. O sombrio segredo de sua culpa permanece como alguma pedra maciça em seus corações, invalidando a adoração e sugando a vida espiritual deles (Salmo 32:3-4). Se é o caso com você, deixe de desfilar o cadáver em assembléias de adoração. Dê fim à auto-defesa e à auto-justificação. Vá rapidamente reconciliar-se com aquele que você ofendeu. A dor do arrependimento será, na verdade, pequena, se comparada com a agonia da culpa contínua e da alienação.

"Entra em acordo sem demora com o teu adversário" (Mateus 5:25). Tirando ainda proveito da estrita preocupação dos fariseus com as penalidades civis, Jesus continua a insistir na metáfora do tribunal civil. Entender isto como um mero conselho prudente para acertar "fora do tribunal" de modo a escapar dos caprichos dos juízes corruptos, seria não só tornar sem significado as palavras do Senhor, mas também pô-las em desacordo com o seu contexto. Jesus está ainda tratando do assunto dos pecados contra os outros. O "adversário" não é aquele que fez alguma acusação sem base contra você, mas alguém a quem você ofendeu, defraudou ou difamou e cuja causa é justa. O orgulho pode aconselhar você a permanecer endurecido, mas Jesus insiste numa rápida reconciliação, em vista de um julgamento divino que será executado sem misericórdia (versículo 26). É exatamente este tipo de julgamento que os homens pecadores não podem suportar. É melhor que procuremos a misericórdia apressadamente enquanto a oportunidade está aberta para nós. Até mesmo a clemência divina tem seus limites.



14. Adultério no Coração

"Qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já adulterou com ela" (Mateus 5:28). Estas são palavras radicais e mesmo cidadãos do reino têm que lutar para não resistir. Sua severa sondagem do coração causa dor quando o Filho de Deus toca nos nervos expostos de nossas moléstias morais. Jesus, tendo tratado do problema do ódio e da malícia, agora volta-se para o problema da concupiscência. Os fariseus tinham, certamente, tratado do problema do adultério, mas só superficialmente. Sua preocupação era evitar uma ofensa capital (Levítico 20:10; Deuteronômio 22:22). Pode-se quase ouvir a maneira em que eles diziam: "Não cometerás adultério" (Êxodo 20:14). Jesus, em contraste, segue as pegadas do pecado do adultério até o seu covil (Mateus 15:19). Assim como ódio no coração é assassinato, assim é adultério a concupiscência desenfreada no coração.

O princípio não era obscurecer parte da aliança mosaica. O décimo mandamento dizia incisivamente: "Não cobiçarás a mulher do teu próximo" (Êxodo 20:17). Paulo, quando ainda um estranho ao evangelho, e um fariseu, tinha sido severamente penetrado por este mandamento (Romanos 7:7). Até Jó, um homem que, aparentemente, viveu antes da lei, entendeu esta verdade ética. "Fiz aliança com meus olhos" ele disse, "Como, pois, os fixaria eu numa donzela?" (Jó 31:1).

Ainda que alguma aplicação mais ampla desta passagem possa ser feita ao desejo carnal cru e sem princípios, que alguém solteiro possa abrigar por alguém semelhantemente descomprometido, o uso que Jesus faz da palavra "adultério" torna claro que sua preocupação presente é com aquele desejo ilícito que viola o próprio espírito da aliança do casamento (2 Coríntios 11:2-3). A preocupação do Senhor, em todo este trecho, é com o nosso dever de amar os outros. Nenhuma pessoa casada pode fazer justiça ao seu companheiro enquanto entregue a incontido desejo por outro. Ainda que seja um assunto da mente, ele é chamado pelo seu nome: pecado.

O Senhor não está tratando aqui da mera passagem momentânea de um desejo pela mente; se assim fosse, não haveria distinção entre tentação e pecado. (Não deveríamos ficar horrorizados pela sugestão de que a concupiscência da carne possa ter feito sua aproximação da mente de nosso Salvador, enquanto ele permaneceu sem pecado, Hebreus 4:15). As palavras "olhar para uma mulher com intenção impura" nos ajuda a entender a exata natureza da transgressão. Isto não é um pensamento fugaz, mas a concentração da mente, com o propósito de cobiçar. O texto grego descreve a pessoa que dirige seus pensamentos ou volta sua mente para uma coisa; neste caso, cobiçar uma mulher (ou um homem). Obviamente, não olhamos para tudo que vemos. O olho abrange um vasto panorama e é deixado para a mente focalizar a atenção. O pecado de Davi não estava em ver Bate-Seba despida, mas em olhar para ela, pondo em mente e, finalmente, na sua desenfreada concupiscência (2 Samuel 11:2-5). Davi queria a oportunidade para possuir Bate-Seba e a encontrou. Sua violação de Êxodo 20:17 não seria menor se essa oportunidade jamais se tivesse apresentado.

Ainda que a palavra portuguesa "concupiscência" denote acuradamente os matizes sensuais do verbo grego (epithumeo), pode-lhe faltar o pensamento concomitante de posse que é inerente a ela. O pecado sendo descrito por Jesus é o cultivo calculado do desejo de possuir alguém a quem não se tem direito. Se é para se fugir deste pecado, a própria aproximação primeira de tais pensamentos tem que ser rejeitada, antes que eles se apoderem da mente e da vontade. Na linguagem do velho provérbio: "Não se pode evitar que os pássaros voem sobre nossas cabeças, mas pode-se evitar que façam ninho em nosso cabelo." Se encontramos dificuldade em distinguir entre tentação e pecado, neste caso é muito mais sábio errar para o lado da precaução do que para o lado da imprudência.

A guerra do cidadão do reino com a concupiscência nestes tempos é destinada a ser uma luta severa e dura. Não vamos escapar facilmente do pântano da lascívia, fornicação e adultério que caiu sobre esta geração. Que nenhum discípulo tenha esta pretensão (1 Coríntios 10:12). Não há restrições sociais nas quais se possa apoiar. Nossa força e defesa tem que residir, integralmente, em nossa profunda e inabalável resolução de manter-nos puros, pelo Senhor. Na análise final, esta é onde o assunto de nossa fidelidade no reino tem sido sempre decidido. "Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida" (Provérbios 4:23).

Estudos Bíblicos - PARTE 02 Jesus abre o coração do seu discurso sobre a verdadeira justiça




Recomendado Para Você